Psicologia Analítica

Conteúdos do Inconsciente

Compreendermos melhor sobre os conteúdos que compõem o inconsciente é tarefa importante na psicologia analítica. Jung sempre observava os conteúdos e experiências de seus pacientes com olhar de pesquisador, buscando se fazer justo em suas colocações. Por esta razão podemos notar que suas afirmações são muitas vezes colocadas como suposições, já que as confirmações poderiam vir com o tempo e a experiência do indivíduo. Para tanto ele também vivenciava bastante suas próprias percepções sobre suas experiências particulares e mesmo nisso tinha uma postura cuidadosa de observar e compreender.

Para Jung o inconsciente também possui conteúdos da esfera pessoal, que são provenientes da vida e experiências que o indivíduo adquire. É composto por conteúdos reprimidos da infância, assim como para Freud, mas inclui outros materiais psíquicos que não estão conscientes. Não se trata apenas de conteúdos que se acumularam no inconsciente por não serem bem aceitos ou resolvidos, mas também contém “componentes psíquicos subliminais, inclusive as percepções subliminais dos sentidos […] também inclui componentes que ainda não alcançaram o limiar da consciência. Constituem eles as sementes de futuros conteúdos conscientes.” (JUNG, 2008, p.4).

Jung afirma que não podemos afirmar com certeza no que os processos inconscientes consistem. Podemos somente colocar hipóteses sobre o que conseguimos observar através das expressões que se manifestam a partir do inconsciente, “através de sintomas, ações, opiniões, afetos, fantasias e sonhos.” (JUNG, 2008, p.52) Esses materiais poderiam nos dar ideias do que, naquele momento, está ocorrendo e se desenvolvendo no inconsciente.

Mas ele observa que mesmo trabalhando as questões dos conteúdos reprimidos, diante da análise, o inconsciente não perde sua força ou seu movimento, sua dinâmica de funcionamento. Também observa que o inconsciente não é dirigido apenas pelo desejo, mas que há outras direções representadas por suas manifestações. Sendo assim é necessário adotar a postura de observador e pesquisador.

 

Referencias Bibliográficas:

JUNG, Carl G. O Eu e o Inconsciente. Coleção Obra Completa de C. G. Jung. Vol. 7/2. Trad. Dora Ferreira da Silva. 21 ed. – Petrópolis: Vozes, 2008.

Texto: Alessandra M. Esquillaro – CRP 06/97347

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.