Psicologia Analítica

ESTRESSE : REALIDADE DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA NA CONCEPÇÃO DA PSICOLOGIA ANALÍTICA DE CARL GUSTAV JUNG

No presente artigo, quero compartilhar com o caro leitor um dos grandes males do mundo moderno que tem se transformado numa crescente cada vez mais presente no cotidiano da humanidade: O estresse.

A origem da palavra “Estresse” vem do inglês “stress” e nos remete a uma pressão que leva à deformação ou até mesmo a destruição de um sistema qualquer.

O estresse se desenvolve a partir de estímulos que são classificados em estímulos absolutos e estímulos relativos. Os estímulos absolutos nos remetem aos ruídos, a falta de oxigênio, o esgotamento físico e a relação do ser com o ambiente.

Os estímulos relativos consistem nos problemas e dificuldades que enfrentamos no cotidiano.

Podemos afirmar com toda a segurança que o estresse se trata de uma adaptação do organismo para lidar com as angústias que se apresentam. Esse processo de adaptação consiste na capacidade que cada um pode desenvolver durante a jornada da vida.

Para a psicologia analítica de Carl Gustav Jung, a 28 retrata o nosso posicionamento diante das adversidades que ocasionam o estresse. Somos o herói de nossa própria história.

O enfrentamento é individual, a capacidade de encarar é um impulso interior, isto é, trata-se de uma força que parte de dentro para a fora.

Não podemos ao longo da dolorosa jornada confundir o cansaço com o estresse. Ao longo da caminhada o cansaço é natural. Estar cansado não é ao todo tão ruim assim. O cansaço nos obriga a parar um pouco, refletir e revigorar as forças para recomeçar e prosseguir. Estar cansado não significa estar estressado.

O confronto com o inconsciente e o reconhecimento da própria sombra é um processo árduo e muitas vezes, cansativo. No entanto, é extremamente necessário na busca pelo equilíbrio e pela tão sonhada paz interior.

O ser humano carrega em si três tendências naturais. Essas tendências nos acompanham o tempo todo ao longo da jornada:

  1. Lutar
  2. Fugir
  3. Acomodar-se

Nossa vida diante das adversidades se movimenta a partir da canalização de energias e da valorização que dedicamos a determinadas ocorrências. Neste momento, para qual das três tendências você tem canalizado as suas energias?

A Canalização de Energias consiste na carga de valor que direcionamos a determinadas situações ou pessoas. Se esta for má direcionada, claramente será uma intensa fonte de desequilíbrio.

Diante das dificuldades, sempre teremos as três possibilidades. Podemos enfrentar as situações através da luta, podemos fugir ou podemos nos acomodar.

A acomodação pode ser considerada a mais perigosa das tendências, pois ela nos estaciona no meio da jornada. Estar acomodado é ficar parado num mundo onde tudo é movimento. É o típico do caso, onde você para e a vida continua.

O autoconhecimento e a busca pelo equilíbio são peças fundamentais no combate ao estresse. Uma auto-imagem negativa pode desencadear o estresse profundo e também pode levar o indivíduo a problemas físicos, mentais e emocionais graves.

Fatos comprovam que muitas pessoas que são vitriosas na vida revelam que foram estimuladas por grandes desafios, no entanto, souberam superar e administrar as situações estressantes através da prática do equilíbrio e do processo psicoterapêutico.

Não é um processo fácil, pois é muito doloroso e exige de nós a quebra de muitos paradigmas, muitas verdades que se julgavam clássicas na vida vão perdendo a força e a influencia que exercia sobre nós. Exige dedicação, motivação e vontade de aprender a lidar com esse universo complexo existente dentro da nossa própria psique.

Autor: Evandro Rodrigo Tropéia para o Instituto Freedom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.